Moscou em 4 pratos

SABORES
ROLAR PARA VER

Guerras, cavalos e baionetas; história, Bolshoi e poesia; tradição, drama e megalomania. No início do século XX a Rússia era um país agrário e de poderios ínfimos em relação à Europa e a América do Norte. Na metade do século XX, após sair vitoriosa de duas Grandes Guerras, o país fazia frente politicamente, economicamente e belicamente aos Estados Unidos, a maior potência do mundo, chegando a superá-lo quando levou o primeiro ser vivo ao espaço.

 

Um povo de sonhos grandes e cada vez maiores – a megalomania é a experiência russa, refletida diretamente em sua capital Moscou, o coração do maior país do mundo. Continue com a gente e conheça um pouco da extraordinária história russa, através de algumas das melhores experiências gastronômicas que a culinária do país pôde conceber.

 

 

Café Pushkin

 

Para falar sobre a Rússia hoje, é preciso traçar um paralelo à Rússia antes da Revolução Comunista. No século XIX o país era uma monarquia em que apenas um punhado de pessoas concentravam luxúrias exorbitantes. A estética dos palácios e casarões aristocratas de então está fielmente encapsulada no Café Pushkin, um dos estabelecimentos mais consagrados na Moscou de hoje.

 

Através de seus pratos e sua decoração o restaurante busca colocar seus clientes em uma viagem à Rússia pré-revolucionária, desta vez, porém, na posição de nobreza. Sinta-se como um verdadeiro Tsar admirando a arquitetura e a arte do Café Pushkin, enquanto aprecia o Strogonoff de Carne com dumplings poloneses, um dos pratos mais tradicionais do país e especialidade da casa, além de uma seleção das melhores vodkas do mundo.

 

 

Stolovaya Nº 57

 

Saltamos algumas décadas para mostrar agora a Rússia pós-revolução comunista, um divisor de águas na história e na cultura local. A União Soviética, como o próprio nome sugere, surgiu a partir da união dos diversos países soviéticos na periferia da Rússia, que juntos passaram a ter grandes ambições e transformaram pequenas economias agrárias em poderios industriais.

 

O restaurante Stolovaya Nº 57 (ilustrado na capa) é um retrato deste momento na história do país onde o céu era o limite. No sentido culinário, os sovietes tinham grande apreço por refeições saudáveis e altamente nutritivas, embora as cantinas estatais da época acabassem pecando com o sabor dos pratos.

No Stolovaya Nº 57, o foco da casa é produzir pratos soviéticos simples, mas altamente nutritivos e saborosos.

 

O Stolovaya decidiu então resgatar o menu das cantinas sovietes, mas dessa vez injetando sabor nas refeições, com ingredientes da mais alta qualidade, além de especiarias e temperos deliciosos e exclusivos. Um dos pratos mais populares da URSS, e que o restaurante conseguiu interpretar magistralmente, é a Borscht, uma sopa que reunia todos os nutrientes essenciais para uma dieta balanceada, feita a partir de legumes, batatas e carnes, e com toques ácidos de uksus, uma espécie de vinagre.

 

 

BUONO

É impossível não se impressionar com a vista no restaurante BUONO, no 29º andar do famoso Radisson Royal Hotel.

 

Se o Stolovaya Nº 57 é uma representação fiel da Rússia socialista, o BUONO é a Rússia pós Queda do Muro de Berlim. Através da Perestroika, uma série de reformas econômicas e estruturais na década de 80, Mikhail Gorbachev buscou revitalizar a URSS e aproximá-la do modelo capitalista americano.

 

Com o passar dos anos a estrutura do país se modernizou fortemente, tendo em vista principalmente o turismo e a integração com as cadeias de produção globais. É aí que surge o BUONO, um restaurante de altíssima excelência no 29º andar do Radisson Royal Hotel.

 

Encabeçado pela Ginza Project, empresa proprietária de alguns dos estabelecimentos mais luxuosos da alta gastronomia de Moscou, o BUONO tem à frente o chef William Lamberti, um dos mais cultuados na Europa. Um dos seus pratos mais cultuados é o Camarão Vermelho da Argentina, acompanhado de tártaro, abacate e morango ressecado.

 

Quanto à sobremesa, não podemos deixar de mencionar o Blinis com mascarpone e amoras silvestres. O blinis é uma panqueca à base de farinha de trigo; já o mascarpone é uma espécie de cream cheese italiano, suave e que contrasta deliciosamente com a acidez discreta das amoras.

 

Essa foi apenas uma passada rápida por alguns dos momentos mais marcantes da Rússia contemporânea, mas o país, assim como sua capital Moscou, possui uma história riquíssima, com mais de 1000 anos de tradição. Se você quer conhecer a fundo o que a torna um local tão especial e único no mundo, com influências tanto orientais quanto ocidentais, você precisa conhecê-la pessoalmente. Faça sua viagem com a FredTour e conheça Moscou no maior conforto possível. #VivaOExtraordinario

Compartilhe
TAGS
#Culinária de Moscou  
#Culinária Russa  
#Moscou  
#Rússia  
SABORES

POSTS RELACIONADOS

Londres fora do óbvio: 4 locais para conhecer

Se o Ocidente tivesse que eleger uma capital, Londres certamente seria uma de suas principais candidatas. Com

Destinos indispensáveis para enólogos e amantes de vinhos

Poucos sabem, mas as bases do vinho tem origens na China, em meados de 9000 antes de Cristo. Relatos e evidências h...

Tóquio em 4 pratos

Cogumelos portabello  fatiados, cebola amarela em anéis finos, corte de lombo bovino, arroz ao vinho “mirin” e macarrão shirit...