5 mitos sobre safáris

GUIA DE VIAGEM
ROLAR PARA VER

Safári, no dialeto swahili, quer dizer “jornada”, e essa jornada traz experiências incríveis como observar animais selvagens no seu habitat natural. Mas, por ser algo tão diferente do nosso cotidiano, várias dúvidas surgem no caminho. Por isso, desmascaramos cinco mitos sobre safáris para que você não coloque mais empecilhos na realização desse tão sonhado passeio.

Mito 1: É preciso pelo menos duas semanas para realizar

Não é só possível, como é o indicado. Muitos especialistas defendem que só é preciso oito dias. A dica é aproveitar o tempo, escolhendo um único país para a aventura. O safári de oito dias é perfeito para iniciantes, que poderão, com calma, planejar um novo safári com mais tempo. Outra dica para agilizar a viagem: é mais prático chegar à África voando a partir da Costa Leste norte-americana. Há vôos diretos para Joanesburgo partindo de Nova York e Atlanta, além deconexões no Quénia, Tanzânia, Uganda, Zâmbia e Zimbabwe.

Mito 2: Não é uma viagem segura

Fique tranquilo, segurança é a palavra de ordem dos safáris. Os bichos estão acostumados com as caminhonetes e não se sentem ameaçados ou intimidados. Mas vale sempre lembrar: não saia dos carros. Além disso, os países africanos em guerra e com problemas de saúde pública, normalmente, estão fora dos roteiros.

Mito 3: África do Sul é destino para iniciantes

A África do Sul é um país mais tranquilo, se comparado à Zâmbia ou ao Zimbabwe. Por isso, é considerado um seguro ponto de partida para os iniciantes. No entanto, a África do Sul ainda encanta os mais experientes devido à variedade da fauna local e da existência dos melhores guias turísticos do continente. Os Parques Nacionais podem proporcionar experiências previsíveis aos veteranos. Nesse caso, recomenda-se visitas à reservas particulares, que podem oferecer experiências diferentes.

Mito 4: Os safáris são muito cansativos

Há safáris para todos os tipos de turistas. Os mais aventureiros podem apostar em destinos como Tanzânia e Uganda, que são mais rústicos. Quem não quer se arriscar, pode preferir roteiros com menor grau de dificuldade e com melhor infraestrutura, como no Quênia ou na África do Sul.

Mito 5: Os mosquitos tornam a viagem insuportável

Nada que um bom repelente não resolva. Usar o produto e reaplicá-lo de hora em hora deixará os insetos inofensivos. Como o passeio exige chapéus, bonés e sapatos fechados, o viajante se sentirá ainda mais protegido. E falando sobre proteção, não se esqueça do protetor solar.

Com esses seis mitos desmascarados, que tal marcar um safári para as próximas férias? Entre em contato com os nossos agentes de turismo e conheça as melhores oportunidades.

Compartilhe
TAGS
#África  
#safári  
GUIA DE VIAGEM

POSTS RELACIONADOS

Tendências de 2019 para viagens de luxo

Quais são as novas tendências no mundo das viagens de luxo? Para onde os viajantes mais desejam ir,...

3 experiências incríveis para viver o Dia dos Muertos

31 de outubro é Halloween, mas marca o início...

As obras de Gaudí no coração da Catalunha

(Imagem de capa do post – Parc Guell)

 

Conhecida por ser a “cabeça e a lareira da Catalunha”,